O contedo desta pgina requer uma verso mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Justiça de Rondônia lança campanha de adoção a crianças com mais de 3 anos

Publicado Afotorm - 28/05/2014

Dados da Justiça indicam que 96% das crianças adotadas têm mais de 4 anos. 80% das famílias que querem adotar pretendem apenas uma criança.

Foto: Assessoria.

""A gente decidiu e Deus nos deu três vezes mais, diz Risoneide..."

Uma campanha para incentivar a adoção de crianças com mais de 3 anos foi lançada nesta sexta-feira (23) em Porto Velho. De acordo com a Vara da Infância e Juventude, 96% das crianças para adoção têm mais de 4 anos de idade. Com irmãos também disponíveis para adoção há 75%. Mas por outro lado, 80% das famílias que querem adotar pretendem apenas uma criança.

O casal Gilson José da Silva e Risoneide Maria da Silva sonhava em ter filhos. Por isso entrou no cadastro nacional de adoção há cerca de um ano. E em pouco tempo veio a surpresa, três irmãos. A família não pensou duas vezes. "A gente decidiu e Deus nos deu três vezes mais", diz Risoneide. E Gilson completa "a gente estava planejando um. Nós tivemos um parto de trigêmeos".

Casos como este são raros, não só pelo fato de serem irmãos, mas por conta da idade das crianças. A enfermeira Marizete da Silva Bezerra e o esposo adotaram Bia com 6 anos. "A adoção da nossa filha é a nossa felicidade. E agora nós queremos mais filhos. E estamos no cadastro nacional esperando mais um filho", diz a mãe.

Para incentivar outras famílias a fazer o mesmo, o Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO) lançou uma campanha em comemoração ao dia nacional da adoção. O objetivo é, justamente, acabar com essa espera de crianças que têm mais de 4 anos e estão em abrigos à espera de uma família. "Focar, exatamente, essa adoção tardia para que essas pessoas, esses casais tenham essa disposição, que tenham vontade em adotar, que olhem também para essas crianças com a idade um pouco mais avançada", explica Fabiano Pegoraro, juiz da Vara da Infância e Juventude.



 

 



 

 

 

 

 

Fonte: www.gazetacentral.com.br