O contedo desta pgina requer uma verso mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Descoberta fotografia inédita de Billy The Kid, comprada por dois dólares, pode valer milhões.

Publicado Afotorm - 26/10/2015

O criminoso norte-americano Billy The Kid, fez história no crime, mas pouco se sabe da sua curta vida. Agora, foi encontrada uma nova fotografia sua: comprada por dois dólares, pode valer milhões.

Foto: Assessoria

rolim-de-moura

Detalhe da foto:

Billy the Kid, à esquerda, a jogar críquete em 1878.

Henry McMarthy, também conhecido como Billy The Kid ou ainda simplesmente por "o fora da lei", viveu apenas durante 21 anos, mas foi o suficiente para que o seu nome ficasse gravado na história. No seu curto período de vida andando quase sempre de arma na mão, pronto para matar, roubar e viver uma vida de crime entre os Estados Unidos e México, conta o The Guardian.

Mas, a verdade é que não se sabe muito sobre a vida deste fora da lei. Recentemente foi feita uma nova descoberta: Billy The Kid, para além de matar e roubar, também gostava de jogar críquete. E como se soube? Através de uma fotografia que mostra Billy jogando no Novo México em 1878. A fotografia, segundo a BBC, foi comprada por Randy e Linda Guijarro, em 2010, numa feira de objetos de segunda mão, na Califórnia, por 2 dólares. Agora pode valer 5 milhões.

A imagem mostra Billy the Kid e o seu gangue, conhecidos como os "The Regulators", jogando críquete num casamento em Lincoln County, no verão de 1878, de acordo com a empresa Kagin's, que autenticou a fotografia, explica o The Huffington Post.

A verdade é que os analistas ficaram inicialmente céticos quanto à autenticidade da fotografia, que os especialistas acreditam ser a segunda imagem do criminoso autenticada até hoje. A primeira foi autenticada em 2011, e avaliada em 2,3 milhões de dólares.

 

 

 

rolim-de-moura

Fotografia comprada por dois dólares que pode valer milhões.

rolim-de-moura

A primeira e única foto autenticada de Billy The Kid.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Observador Portugal/ http://observador.pt/