O contedo desta pgina requer uma verso mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Arqueologia: Nasa investiga mistério de oito mil anos no Cazaquistão

Publicado Afotorm - 01/03/2016

A agência, mais habituada a explorar mistérios espaciais, juntou-se à investigação e fotografou a área, do espaço

Foto: Image Courtesy of Digital Globe

rolim-de-moura

Há um mistério por resolver no Cazaquistão que está a intrigar até os cientistas da Agência Espacial norte-americana. Vista do ar, a 700 km de altitude, uma área deserta do norte do país apresenta um aspeto singular, que faz lembrar as Linhas e Geóglifos de Nazca, no Peru.

Uma série de fotografias de satélite reveladas pela NASA mostram gigantescas figuras geométricas: quadrados e cruzes que se estendem por uma área que equivale a vários campos de futebol na região de Turgai e que são conhecidos como os "Geóglifos das estepes" - um geóglifo é exatamente uma figura de grandes dimensões, cuja perceção só é possível a partir do ar.

As formas foram descobertas apenas em 2007, por um economista amante da arqueologia, Dmitriy Dey , através das imagens do Google Earth. Segundo os investigadores que se dedicaram ao tema, as misteriosas estruturas datam do Neolítico e podem ter cerca de oito mil anos. O próprio Dey compilou muita informação sobre o local, que disponibiliza na internet.
Agora a NASA, mais habituada a explorar mistérios espaciais, juntou-se à investigação e fotografou a área, do espaço. A agência pediu também aos astronautas da Estação Espacial para darem mais atenção ao local.

A maior figura, perto de uma povoação do Neolítico, é um quadrado com uma cruz no meio, desenhado através da construção de 101 pequenos montes. Outra figura assemelha-se a uma suástica, um elemento de design que ficou associado aos nazis, mas que nas suas várias versões é usado desde a antiguidade, por várias civilizações.

"Nunca vi nada assim. Acho fantástico", disse Compton J. Tucker, da NASA, citado pelo The New York Times.

 

rolim-de-moura

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Fonte: Diário de Noticias www.dn.pt