O contedo desta pgina requer uma verso mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Arqueólogos recuperam antiga ferramenta de navegação de naufrágio português

Publicado Afotorm - 27/12/2017

Astrolábio da frota de Vasco da Gama é o mais antigo instrumento náutico já encontrado

Foto: Assessoria

rolim-de-moura

Este astrolábio espanhol do século XIV está em exibição no Musée du Louvre, em Paris (Stephane de Sakutin/AFP/Getty Images)

rolim-de-moura

O escaneamento a laser do astrolábio revelou as gravuras do dispositivo (Universidade de Warwick)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma empresa arqueológica que investigou um naufrágio português recuperou o que se acredita ser a mais antiga ferramenta de navegação já encontrada. O dispositivo, chamado de astrolábio, costumava prever a altura do Sol para determinar a latitude do navio, isto é, a distância da linha do equador. O astrolábio é proveniente do naufrágio da embarcação portuguesa Esmerelda, que afundou no Oceano Índico em 1503.

O navio, parte da frota do navegador português Vasco da Gama, afundou durante uma tempestade próximo à ilha de Al Hallaniyah, que pertence a Omã. Da Gama foi o primeiro europeu a chegar à Índia por mar em 1498, uma descoberta que abriu o caminho para a era do colonialismo e do comércio entre a Europa e a Ásia.

O naufrágio foi descoberto em 1998 pela empresa arqueológica britânica Blue Water Recoveries. A Blue Water conseguiu finalmente firmar um acordo com o governo de Omã para permitir a exploração. O astrolábio apareceu durante uma escavação submarina no local em 2014.

Os detalhes do disco de bronze de 7 polegadas estão cobertos de pátina (carbonato que se forma em superfícies de cobre e de bronze pela oxidação natural). O que parece ser o emblema do rei de Portugal e os brasões portugueses estão visíveis de um lado; o outro lado parece apagado.

"Eu soube imediatamente quando vi que este era um objeto muito, muito importante. Eu pude ver o brasão real sobre ele", disse David Mearns, da Blue Water Recoveries, que liderou a missão de recuperação.

"Os portugueses estavam na vanguarda do desenvolvimento de astrolábios no mar. A referência mais antiga de seu uso por eles no mar remete aos anos 1480. O anterior mais antigo estava em um navio de 1533", disse Mearns. "Este é o mais antigo astrolábio marítimo."

s pesquisadores contataram o professor Mark Williams, do Warwick Manufacturing Group (WMG), que faz parte da U.K.'s University of Warwick. Williams e sua equipe usaram a tecnologia de digitalização 3-D com escaneamento a laser para descobrir uma série de marcas, equidistantes cinco graus, que os marinheiros teriam usado para demarcar o Sol.

"Foi fantástico aplicar nossa tecnologia de digitalização 3-D a um projeto tão emocionante e ajudar na identificação de um artigo tão raro e fascinante", disse Williams em um comunicado divulgado pela University of Warwick.

O astrolábio, que precedeu o sextante, trabalha de forma semelhante. Um marinheiro alinha a linha base com o horizonte e obtém a altura do Sol acima do horizonte exatamente ao meio-dia. Os números resultantes podem ser usados ​​para calcular a latitude atual do navio.

Acredita-se que este astrolábio tenha sido usado entre 1495 e 1500. O emblema foi identificado como pertencente a Dom Manuel I, rei de Portugal entre 1495 e 1521.

"É um grande privilégio encontrar algo tão raro, algo tão historicamente importante, algo que será estudado pela comunidade arqueológica e preencherá uma lacuna", disse David Mearns em comunicado. "Isso não se parece com nada que já tenhamos visto. Isso acrescenta à história, e espero que astrolábios desse período possam ser encontrados."

Mais de 2.800 artefatos foram recuperados dos escombros do Esmerelda até agora. Atualmente, o astrolábio se encontra em posse do Museu Nacional de Omã.

Por: NTD Television
Fonte: Site Epoch Times