O contedo desta pgina requer uma verso mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

O 'paraíso' pré-histórico revelado por arqueólogos perto de uma das estradas mais movimentadas de Israel

Publicado Afotorm - 11/01/2018

Um antigo "paraíso" para caçadores-coletores que viveram 500 mil anos atrás - grupos humanos que viviam à base da caça de animais e coleta de outros alimentos na natureza.

Foto: Assessoria

rolim-de-moura

Local, próximo a uma estrada movimentada, foi 'incrivelmente preservado', segundo especialistas | Foto: Universidade de Tel Aviv

Arqueólogos israelenses descobriram um sítio pré-histórico raro próximo a Tel Aviv, um antigo "paraíso" para caçadores-coletores que viveram 500 mil anos atrás - grupos humanos que viviam à base da caça de animais e coleta de outros alimentos na natureza.

O local, próximo a uma estrada movimentada na cidade de Jaljulia, abrigava centenas de seixos de pedras e outros artefatos pré-históricos.

Especialistas dizem que a área tinha um rio, vegetação e abundância de animais - ou seja, era o local, perfeito para humanos primitivos.

"Para as pessoas, era como um paraíso. Elas vinham aqui repetidas vezes", contou ele.

"A água trazia pedaços de pedras das montanhas, que eram usados para fazer ferramentas. Ela também atraía animais, que eram então caçados e abatidos aqui. Esse grupo tinha tudo o que as pessoas pré-históricas precisavam."

Nova luz sobre o passado
O sítio arqueológico foi encontrado entre Jaljulia e a auto estrada 6, a cerca de cinco metros da superfície. As descobertas indicam que o local foi usado pelos antepassados dos humanos modernos, os chamados Homo erectus - primeira espécie humana a caminhar completamente em pé.

Essa espécie era formada por homens um pouco maiores e mais fortes que os humanos modernos, mas seus cérebros não eram evoluídos.

 

 

 

rolim-de-moura

Pedras usadas pelo homem na Pré-história estão entre as descobertas feitas no local. Foto: Universidade de Tel Aviv

rolim-de-moura

As descobertas estavam 5 metros abaixo da superfície.

Foto: Universidade de Tel Aviv

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Fonte: BBC Brasil