O contedo desta pgina requer uma verso mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Identificação de embarcação naufragada em Santos entra em nova etapa

Publicado Afotorm - 06/06/2018

Destroços que podem ser do veleiro Kestrel voltaram a aparecer na praia. Marinha já liberou escavação
na areia, diz arqueólogo

Foto: AT

rolim-de-moura

Destroços do que pesquisador acredita ser de veleiro voltou a aparecer na praia de Santos (Foto: Nirley Sena/AT)

rolim-de-moura

Pesquisas realizadas por Gonzalez apontam que destroços são do veleiro Kestrel (Foto: Alexsander Ferraz/AT)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os destroços que provavelmente pertencem ao veleiro Kestrel voltaram a aparecer na faixa de areia da Praia do Embaré, em Santos,
nesta segunda-feira (28). Na semana passada, pouco mais de nove meses após a estrutura da embarcação aparecer pela primeira vez
nas imediações do Canal 5, o processo de liberação para execução de pesquisas no local entrou em nova etapa.
De acordo com o arqueólogo Manoel Gonzalez, a Marinha do Brasil já autorizou a realização de trabalhos no trecho do naufrágio,
faltando agora o aval do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). "No momento estamos em processo de liberação
das pesquisas, semana passada estive em Brasília e acredito que em 60 dias estaremos com a portaria (que autoriza a realização dos
estudos in loco). Com a assinatura de um acordo (entre o arqueólogo e os órgãos), poderemos iniciar os trabalhos".
O arqueólogo explica que está prevista a escavação arqueológica da embarcação e, depois, a avaliação do que será efetivamente feito com os destroços.
"Os principais objetivos dos trabalhos são fazer a avaliação do potencial arqueológico, analisar possíveis materiais de relevância
encontrados nos destroços e, a partir dos dados coletados, tentar recriar o dia a dia e vivência à bordo", afirma Gonzalez.

Por meio de nota, a Secretaria de Serviços Públicos informou que, por medidas de segurança e de preservação dos destroços, foi feito
um cercado na última sexta – feira (25), porém a força da maré derrubou o isolamento. Nesta terça (29), a equipe da Seserp retornará ao
local refazer o serviço.

Kestrel
Com base em informações de pesquisa realizada desde que vestígios da embarcação apareceram no dia 22 de agosto do ano passado, o arqueólogo acredita que os fragmentos pertençam mesmo ao veleiro Kestrel, de bandeira inglesa, naufragado em 11 de fevereiro de 1895.

A descoberta ocorreu por conta das características da embarcação e também com base em pesquisas realizadas em jornais da época,
que noticiaram o naufrágio, naquele trecho da orla, de um veleiro de três mastros, de bandeira inglesa.
Nos registros encontrados, conforme o arqueólogo, é mencionado que o naufrágio ocorreu na Praia do Boqueirão, após uma
tempestade. "Antigamente, o trecho entre os canais 3 e 6 era chamado de Praia do Boqueirão. As informações batem, porque não
apareceu nenhuma outra embarcação de madeira nesse trecho, nos últimos 100 anos. Essa foi a primeira".


 

Por GABRIELA LOUSADA
Fonte: A tribuna .com. br